Sanatório: Mainha, tic’s e toc

Não é de hoje que reparo nas coisas que minha mãe faz e fala. Sei que muitos falam sobre as mães e a maioria delas são iguais na forma de pensar, só muda o endereço.

Minha mãe é o tipo de pessoa que assiste toda e qualquer novela, independente do enredo, tema, abordagem, se é politicamente correta ou não. Por mais que ela não saiba do assunto das novelas porque começou assistir no meio ela comenta como se fosse um jurado do “the voice”, fala das roupas, fica indignada pra não dizer “puta da vida” com as coisas que acontecem, exemplo: a fulana vai libertar o pai da masmorra, porque o rei está trancando ele pra chantagear ela. Bom, não assisto novela, então quem assiste vai saber qual é, só sei que tem rei, princesa e essas coisas… Enfim, ela vira crítica de moda de todos, rsrsrs, outra coisa é que pode estar acontecendo o maior evento na frente dela, acabou o comercial, faz barulho pra tu ver, até o mosquito para de voar no alto e cai de peito no chão pra não fazer barulho, se não o árbitro de copa do mundo, conhecido também como capeta aparece no meio da sala incorporado nela.

Mas uma coisa que me chamou a atenção um dia desses foi o momento em que entrou o comercial, ela volta do seu transe e conversa normalmente, conversa vai, conversa vem, ela olhando para a televisão aumentou o volume, mas não foi em um momento qualquer, foi no exato momento em que acabou o último comercial e ia voltar a novela. Eu comecei a rir dela perguntando como ela sabia que ia voltar a novela naquele exato momento, e foi aí que tive a melhor resposta vindo da minha irmã, “ela conta os comerciais”! Eu ri mais ainda dizendo que ela era louca com seus toques, porém esse foi a mais, minha mãe seria me olhava e minha irmã falou “é sério, ela conta e disse que são exatamente 10 comerciais antes de voltar a novela”, eu ainda rindo soltei meio que sem querer, ” você não tem o que fazer né pra contar comercial”. Pronto, foi o suficiente pra eu ouvir o que acredito que todos nós ouvimos e foi mais ou menos assim, “ninguém me chama de louça quando eu trabalhei igual uma cadela pra criar vocês, quando eu limpava a casa pra vocês sujarem, agora sou louca por contar os comerciais? Quando eu morrer vocês vão sentir saudades dessa louca que não tem o que fazer e vai ser tarde”.

Bom pessoal, resumindo, eu continuei rindo porque a situação foi hilária, tive que pedir desculpas pra ela falar comigo novamente, só que acho que depois desse texto, estou sem mãe novamente. Esse foi uma das muitas histórias da minha mãe.

Texto por: Rudá Igor Lopes