Análise: Aggretsuko (2018) – Surtada mas com motivos.

Quando se fala em Sanrio a primeira coisa que se vem em mente é a icônica personagem Hello Kitty ou algum outro bicho kawaii(fofinho), mas parece que esse mundo cor de rosa da empresa acaba de ser tomado por uma criaturinha que tem um pouco de Death Metal em seu coração.

Retsuko é uma panda vermelha(para quem não sabe o símbolo da famosa empresa Firefox é esse mesmo animal)de 25 anos, escorpiana e solteira que trabalha em uma grande empresa de contabilidade em Tóquio, trabalhar nessa área sempre foi seu sonho mas os impropérios da vida de assalariada acabam tornando sua vida um inferno, sendo na forma de abuso de sua boa vontade por parte de algumas pessoas do trabalho ou a mais visível a que sofre de seu chefe um porco chauvinista que um trabalho “muito cansativo”, então para aliviar o estresse de todo esse ambiente tóxico que vive Retsuko liberta sua fúria cantando o que sente na forma de Death Metal seja no karaokê ou no banheiro da empresa.

Composto de 10 episódios de 15 minutos cada Aggretsuko(cujo o nome é uma junção de Aggressive + Retsuko) tem um inicio muito frenético no qual muitos assalariados vão se identificar(no Japão aonde o anime já soma algo em torno de 90 episódios sua aceitação é incrível pois algumas situações que Retsuko passa muitos já passaram ou passam principalmente as mulheres) porém seu final pode deixar muita gente com uma sensação de mais do mesmo ou de potencial perdido, o anime estreou no dia 20 de Abril e já se encontra completo na Netflix, abaixo fiquem com o trailer.

Texto por: Bruno Fonseca