SANATÓRIO: Uma sombra na escada.

Pode parecer normal as vezes enxergarmos vultos em locais destinos mesmo que por uma fração de segundos, naquela visão periférica muita das vezes, porém quando você está no seu quintal, por volta de umas 22:47 e se depara com a silhueta do que parecia ser um homem parado te observando do andar de cima de um lance de escadas, onde sua visão é totalmente direcionada para ele, eu não diria que isso é normal.

Certa noite chegando em casa, vindo da casa da minha sogra, com minha esposa e meu filho, entro normalmente como de costume, entro primeiro e destranco a porta da sala para que ela entre com nosso bebê nos braços, vejo meio que de relance como se fosse alguém no topo da escada parado, achei ser o dono da casa que mora em cima, mas ele estava fora, depois pensei ter imaginado pois a luz que há no lugar poderia ter me dado essa impressão, não voltei o olhar para aquele ponto de imediato, segui como se nada tivesse acontecido. Minha esposa entrou e voltei para buscar a bolsa do nosso filho no carro e quando voltava olhei novamente como para desencargo de consciência, porém o que eu pensava ser minha mente fantasiando e me pregando uma peça era verdade, havia uma silhueta de algo que aparentava ser um homem com o corpo arqueado para o lado esquerdo me observando. No primeiro momento paralisei e o encarei (no lugar onde deduzi ser seu rosto pois não via seus olhos e face, via apenas sombra) e ele ficou alguns segundos me encarando, depois se moveu para a direita e sumiu da minha vista. Ok, entrei sem dizer o que vi para minha esposa e segui normalmente a noite. Fomos nos deitar e de madrugada, por volta de umas 03:27 o Gabriel acordou com fome, como de costume. Me levantei, fiz sua mamadeira e peguei ele no colo, sentei na beirada da cama e o apoiei em uma das pernas para facilitar a amamentação, pois segurar meu filho é a mamadeira com sono não é tarefa fácil.

Tudo corria normalmente, eu já não me lembrava do que tinha visto tamanho era meu sono. Enquanto dava a mamadeira meus olhos pesavam, e como a posição era confortável dava aquelas piscadas longas. Foi ai que vi algo que me paralisou, em umas dessas piscadas, meu rosto voltado para o Gabriel, enquanto abri um pouco os olhos notei uma sombra entre o Gabriel e eu, como a parte de trás de uma cabeça, porém uma sombra. Eu não consegui me mexer e pisquei fundo achando que minha visão estava falhando, um frio subiu pela minha coluna, pisquei forte e a sombra estava lá, pisquei mais uma vez, dessa vez mais demorado e quando abri os olhos, o que estava entre meu filho e eu havia se virado e me encarava agora, eu pude ver seus olhos fundos e penetrantes me olhando, um sorriso largo. Eu não conseguia me mexer, algo me paralisava, fechei meus olhos pois era a única coisa que conseguia fazer, eu sentia sua presença mas não queria encara-lo novamente, só pensava no meu filho e na minha esposa que estavam indefesos, ainda com os olhos fechados fiz a única coisa sensata, comecei a orar e pedir a Deus que tirasse aquilo de lá. Comecei a sentir meus movimentos voltando, abri os olhos lentamente com medo do que poderia ver, mas para meu alívio não estava mais lá aquela criatura. Nunca toquei nesse assunto com ninguém, até agora, minha esposa já sentiu dentro dessa casa, enquanto estava na cozinha uma pessoa esbarrando nela, descreveu que sentiu uma mão apoiando no seu ombro direito e escorrendo para o centro de suas costas, já eu, ainda vejo de vez em quando essa mesma figura parada na escada, me olhando enquanto entro em minha casa. Agora me pergunto, e você, tem certeza que está sozinho enquanto chega em casa ou anda por ela de noite? Fique atento pois a sombra da escada pode estar te observando.

Escrito por: Rudá Igor Lopes